segunda-feira, 2 de março de 2009

O que preguei ontem

.

por Jefferson Ramalho

Recentemente preguei em uma igreja pentecostal, em São Paulo.

Para mim, especialmente, é sempre interessante ter tal experiência!

Falei sobre a passagem de Paulo a Timóteo, em 1ª Tm 4.6-16.

Tentei desenvolver uma pregação expositiva, cujo título foi:

Vocação, Espiritualidade e Paciência.

O esboço da pregação foi o seguinte:

1. Breve biografia de Timóteo ::
2. A vocação de Timóteo segundo Paulo ::
3. O significado bíblico de Vocação e de Ministrar (escravidão)::
4. A importância das obras dos mestres da espiritualidade cristã ::
* fontes clássicas: João Cassiano, João da Cruz, Tereza d'Ávilla etc
* fontes recentes: Thomas Merton, Henri Nouwen, Anselm Grün etc
5. Reconhecimento da própria vocação ::
6. Dedicação às disciplinas recomendadas por Paulo ::
7. Paciência e perseverança ::
8. Deus cumprirá o seu ministério no momento dEle ::
9. Análise crítica do ensino e da vida das igrejas evangélicas atuais ::

Infelizmente, pregações dessa linha não são bem recebidas.

Os próprios líderes, principalmente, preferem as pregações animadas e não as que provocam reflexões e questionamentos.

Se o pregador não chegar e fazer o povo rir, virar pirueta e plantar bananeira, não valeu a pena.

As instituições, em sua maioria, estão à procura de animadores de auditório - ou por que não, de circo? - e não pregadores do Evangelho, que confrontam e desafiam.

Na próxima semana, mais uma pregação do Evangelho!

Abração,

na Graça,
Jefferson

2 comentários:

Wilcomjc disse...

Meu querido imrão Jefferson,

Graça e paz!

Sou um jovem, líder de jovens e pregador pentecostal. Sei muito bem o que você sentiu; lamentavelmente pouquíssimas igrejas pentecostais apegam-se à pregaçõa expositiva, pensada e confrontadora. Dói, mas devo reconhecer que nosso prazer é o barulho e as emoções; quanto mais o tempo passa, mas estou convicto em ser pentecostal, entretanto, percebo, na mesma intensidade, o quão emocionalistas nós temos sido!

Forte abraço, gostei de seus textos.

Will

Aprendiz disse...

Quando essa infantilidade terá fim? Quando nosso povo irá amadurecer?