terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Provocação: Reflexão (52) - Teologia Deformada

.

por Jefferson Ramalho

Primeiramente quero deixar claro que, neste breve artigo, não pretendo fazer apologia à Teologia Reformada, a qual, sem dúvida, teve seu momento e relevância – especialmente nos séculos XVI e XVII – mas, com a chegada do século XVIII, se formos no mínimo coerentes, reconheceremos que o Iluminismo demonstrou que essa Teologia já não conseguia mais responder aos questionamentos do homem moderno, diferentemente do que conseguiu fazer com muita eficácia ao homem vitimado pela opressão eclesiástica medieval.

Da mesma forma, não pretendo, em hipótese alguma, afirmar que o Liberalismo Teológico do século XIX trouxe consigo alguma espécie de deformidade. Pelo contrário, conseguiu devido à sua singular erudição, dialogar com as filosofias do século XVIII em diante. Assim como os Pais da Igreja dialogaram com o platonismo e os Escolásticos com a filosofia de Aristóteles, os teólogos liberais dialogaram com os iluministas. Isso é básico e perceptível por qualquer leitor iniciante das relações entre a filosofia e a teologia.

Quando falo de uma Teologia Deformada, estou me referindo diretamente ao Neopentecostalismo e a todas as suas convicções. Abrindo parênteses, é até difícil usar neste caso a palavra “convicções”, pois não existe nenhuma relação entre esta vertente religiosa supostamente evangélica com palavras do tipo: convicção, certeza, idéias, pensamentos, e nem mesmo “teologia”, ainda que seja o Neopentecostalismo um movimento religioso. Para ser neopentecostal, não precisa usar a mente!

Caio Fábio d’Araújo Filho, principal comunicador da história do protestantismo brasileiro, afirmou recentemente em entrevista que, a estupidez neopentecostal chegou a tal ponto, que “os caras estão vendendo o sangue de Jesus dentro de saquinho”.

O medievalista francês Jacques Le Goff, historiador pertencente à terceira geração da Escola dos Annales, informa em sua obra Raízes da Europa Medieval:

“O mundo do pecado está, mais do que nunca, dominado pelas agressões do diabo, esse ‘inimigo do gênero humano’ que está solto durante esse período em que atinge uma grande popularidade e desperta temores aumentados. Enquanto o teatro, banido pela igreja na Alta Idade Média, não tinha ainda reaparecido e enquanto a dança é considerada como uma atividade diabólica, um teatro desenfreado se desencadeia na alma dos cristãos sujeitos às tentações e às agressões do diabo e de seus soldados, os demônios. Satanás rege o baile.”

Ao relacionar essas características do cristianismo medieval, torna-se impossível não perceber que o Neopentecostalismo é uma Igreja Católica Medieval Piorada – não melhorada. Para ele, o diabo é o centro das atenções; sem ele, nenhuma desgraça acontece. O ser humano não é mais responsável por seus atos, mas o diabo, causador de todos os males.

Isso para não falar das aberrações doutrinárias que surgem de hora em hora. A cada "revelação", surge uma nova enganação. A criatividade chega a tal extremo, que manipulação, pra eles, é sinônimo de dom divino. O importante é que a fé do povo seja estimulada. E aí, os mais simples são explorados, enganados, roubados, manipulados e iludidos. Não há escrúpulos!

A agressão é desenfreada! Deus pode ser vendido dentro de pacotes, campanhas de sete semanas, vigílias. Para esses caras Deus pode ser barganhado por sacrifícios financeiros, bens materiais, móveis e imóveis. Além dessa relação de trocas, defende-se veementemente que tudo o que é normal e saudável é pecado. Danças, apresentações teatrais, filmes e músicas seculares são obras de satã. Para esses supostos profetas, satã não cria, mas deturpa.

É melhor cantar: "Restitui! Eu quero de volta o que é meu" só por causa do rótulo evangélico, do que cantar: "Pai! Afasta de mim este cálice – ou cale-se", só porque o grande Chico, na concepção crente, é um mundano, adúltero e profano. Ainda perguntam a razão pela qual eu não me identifico como evangélico. Tenho vergonha!

Os normais jamais relacionariam o termo evangélico ao Evangelho, mas a esse “negócio religioso”, feito em nome de Deus e do Evangelho, porém, contra ambos. Por isso prefiro dizer: sou um homem que tenta seguir os passos de Jesus, mas não sou evangélico!

É a isso que chamo Teologia Deformada. Essa capacidade de distorcer o texto bíblico, que arrogantemente o torna a base dessas concepções que apresentam um deus que de Senhor, não tem nada! O cristianismo medieval era um jardim de infância se comparado ao neopentecostalismo, que em matéria de manipulação, já atingiu a cátedra máxima. A conclusão é simples: o deus do neopentecostalismo, não é o Deus do Evangelho!

na Graça,
Jefferson

3 comentários:

Claudio Silva disse...

Parabéns pelo texto irmão, embora meu conhecimento do catolicismo medieval seja de alguns livros que li da história da igreja e poucos filmes e documentários não é difícil perceber a similaridade com o neopentecostalismo e a superação deste último em engano e vigarice. E acredito que o deus(pagão) de muita gente, não somente dos neopentecostais não é o Deus dos evangelhos.
Descobri seu blog pelo Pava, e dentro do possível estarei acompanhando ele.
Se me permitir gostaria de publicar seu texto em meu blog.
Graça e Paz

Atilio Jr disse...

Jefferson,

Bacana o texto e pertinente a crítica...agora a nossa responsabilidade é ir adiante, viver o evangelho na sua simplicidade e radicalidade. Se não, periga nos tornamos "crentes-ateus"! Eternos críticos dos "evangélicos" e suas práticas malucas e só.

Vamos juntos, para além da crítica.

Abração,

Atilio Jr.
Caminho Sp.

dini kelly disse...

Concordo com Atílio Jr,

Vejo milhares de pessoas se deixando abater e vivendo um cristianismo morno por causa do que os outros fizeram do evangelho.

É lamentável o que tem acontecido no que chamam de meio evangélico onde o neopentecostalismo tem invadido a televisão fazendo a maioria das pessoas [leigas]acreditarem que "isso" é evangelho. Até a famigerada indulgência está de volta em nossos dias.

Apesar disso, eu me recuso a me envergonhar de ser "crente", "evangélica", "protestante" ou como queira chamar, mas prefiro dizer que sou cristã [seguidora fiel dos ensinamentos de Cristo].

A propósito, você escreve muito bem e o seu currículo é invejável.