quinta-feira, 6 de dezembro de 2007

Reflexão (12) - O problema do sofrimento


por Jefferson Ramalho

"O sofrimento mental é menos dramático que o físico, porém é mais comum e também mais difícil de suportar. A tentativa freqüente de encobrir o sofrimento mental aumenta o fardo, pois é mais fácil dizer: 'Meu dente está doendo', que dizer: 'Meu coração está partido'. Contudo, se a causa é aceita e encarada, o conflito fortalece-se e purifica o caráter, e, em tempo, o sofrimento geralmente passa. Às vezes, entretanto, ele persiste, e o efeito é devastador. Se a causa não é encarada ou não é reconhecida, ela gera o sombrio estado do neurótico crônico."

Trecho do apêndice da obra "O problema do sofrimento", de C.S.Lewis.

Para conhecer este livro, clique no link:

http://www.editoravida.com.br/loja/product_info.php?products_id=90

Seguem a seguir minhas tentativas de reflexão a respeito do trecho:

As pessoas preferem viver com o sofrimento mental-animal-psicológico-existencial a vida inteira, pois na maioria das vezes, esses sofrimentos estão relacionados a motivos de vergonha, constrangimento, culpa, possíveis conseqüências ruins, pecados inconfessáveis etc.

Somos todos animais (pois temos anima = alma); e essa animalidade que nos ocupa e ao mesmo tempo nos domina, consegue fazer com que as maiores dores da vida sejam aquelas relacionadas a algo além do físico, da matéria, do corpo, da pele, da sensitividade.

Se o problema fosse apenas pele, seria fácil de resolver. Os medicamentos, os descarregos religiosos, a possibilidade de expelir os desejos satisfazendo-os, simplesmente. Mas o problema não está localizado na pele, na carne, no físico. Não é, portanto, um problema empírico.

Isto, contudo, não significa que seja uma problemática de ordem racional, reflexiva, metódica ou sistemática.

O problema é existencial e na maioria das vezes é incurável. Atinge aquela parte da existência que não se resume em uma aula de biologia ou de lógica. Ele está localizado e escondido em um setor da alma aonde muitas vezes nem o seu próprio dono é capaz de chegar. A inconsciência. "Onde está o sei mas não sei o que sei, sinto e não sei o que sinto, sonho e não sei o porquê. É aí que Pascal disse que 'o coração tem razões que a própria razão desconhece'." (Caio Fábio).

O problema está em quando o sofrimento tem sua causa não no físico nem na mente, mas nisso que Pascal chama de coração.

Local do ser humano que somente ELE, o ALTÍSSIMO, pode chegar. A inconsciência. Esta "parte" peculiar dos humanos que nem eles mesmos conhecem, embora sejam capazes de sentir suas aflições, sofrimentos, angústias, incertezas, medos, covardias, sonhos, dores, desesperos, amores, paixões, ódio, raivas, vinganças, compaixão, desprezo, temores e tremores.

Que o PAI nos sustente nestes dias de angústias, sofrimentos e incertezas. É tudo o que precisamos. Seu sustento, seu cuidado e sua GRAÇA.

Beijão a todos.

na Graça,

Jefferson

Um comentário:

Luiza disse...

Essas palavras mostram uma relfexão profunda que nos arremete a uma pronfunidade ainda maior de reflexão, muito relacionada a palavra que os salmistas usavam no V.T. Selá. oce^fica pensando, pensando e tentando absorver destas reflexões através da sabedoria a graça para persistir na caminhada certa.
Não só esta postagem de hoje, mas nas mais singelas e profundas palavras postadas neste edificante espaço.
Compartilho com muitas de suas idéias
Deus te abençoe Jeffersom

Sara Belmonte