quarta-feira, 31 de março de 2010

Reflexão (68) - páscoa com "p" minúsculo


Gente amada de Deus,

O que é a páscoa? É a ressurreição? A nova vida? A festa máxima do chocolate? A festa do coelho?

Sabemos que, independentemente dos significados e desdobramentos desta comemoração cristã, ela como tantas outras é só mais uma.

Agora, do ponto de vista da fé, não há como negar que por suceder a chamada semana santa, tem o poder de nos convidar à reflexão.

Mas, à qual reflexão? Aquela que a religião tenta estimular todos os anos para que seja feita?

Será que Jesus quer que nos lembremos dele enquanto personagem histórico? Mais do que isso, será que ele tem algum tipo de prazer em nossas festas religiosas supostamente dirigidas a ele?

Os presentes de natal e os ovos de páscoa comprovam que nossas intenções nada significam e muito pouco representam para ele.

A gente vai à igreja, à missa, ao culto, ao encontro do caminho, aonde quer que seja, fazemos nossas leituras e releituras do evangelho, cantamos, pregamos, ouvimos, choramos e sorrimos, e nada acontece. Concretamente, nada acontece!

O faminto continua faminto na escadaria da basílica, o pobre permanece com sua barriga roncando à porta do templo e o morador de rua continua comendo lixo nas calçadas de rua das estações do Caminho da Graça.

Portanto, neste domingo, nós de Osasco, não vamos nos encontrar! Não vamos cantar, tocar, rezar, orar, chorar, sorrir, refletir, reler a Escritura, pregar, ouvir...não vamos fazer nada que a religião nos diga que tenhamos que fazer. Nada!

Vamos nos esquecer uns dos outros, e vamos tentar nos lembrar de quem nunca lembramos! Lembramos, apenas, em nossas hipócritas, ritualísticas e infrutíferas orações. Só aí! Claro, assim é fácil!

Vamos dar de comer ao que tem fome e de beber ao que tem sede! Vamos fazer alguma coisa, de uma vez por todas, por favor! Mesmo que seja pelo menos uma vez na vida!

Se no domingo de manhã formos até o pobre e lhe dermos de comer, ele poderá dizer: __verdadeiramente, ELE ressuscitou!

Irmãos, amigos, como devo chamá-los? Só assim Jesus ressuscita! Quando ele em nós, atende o aflito! Isso é ressurreição!

Uma ressurreição concreta, verdadeira. Não aquela lendária e mitológica, na qual acreditamos sem sabermos no que de fato dizemos que acreditamos só porque um dia nos contaram aquilo que também ouviram, sem realmente saber do que se tratava!

E tem mais! Vá, faça e não conte a ninguém o que vc fez e por quem fez! Se ELE não aceitou glória dos homens (cf. João 5.41), por que vc aceitaria, não é mesmo!?!

na Graça,
Jefferson

5 comentários:

Carlos Seino disse...

Não dá pra fazer as duas coisas? Orar, ler, cantar, chorar e também alimentar o pobre, vestir o nu, etc?

É que quando começamos a suprimir os elementos indicativos da fé, é possível que talvez nem cheguemos aos imperativos...

Abraço!!!

Leila Michele disse...

Também sou cristã e tenho uma porrada prá dar bem na face de nós crentes...essa semana, comemora-se o centenário de vida de um homens que apesar de praticar o espritismo, tem uma enorme lição a nos ensinar: ele mesmo "Chico Xavier" que independente de sua prática espírita fazia o bem sem olhar a quem, ficou famoso no Brasil e no mundo todo, podia ter ficado rico mas, viveu até o fim de sua vida apenas com seu salário e, depois com sua aposentadoria.
Vendia milhares de livros e revertia o valor das vendas para instituições de caridade.
Teve uma infância e juventude sofridas mas sempre pregou o amor ao próximo baseado nas palavras de Jesus, pregava e praticavaesse amor distribuindo um olhar carinhoso e mesmo dinheiro aos que lhe vinham ao encontro. Praticou e ensinou o perdão, sempre falava e praticava o bem principalmente àqueles que não conhecia.
E nós e nossos líderes? Não todos evidentemente, mas falamops de prosperidade para nós mesmos, enriquecemos pastores com campanhas e mais campanhas na tentativa de barganhar bençãos materiais com Deus.
Enchemos o bolso de picaretas, safados em troca de saúde, dinheiro, poder...isso é prática de evangelho?
É uma vergonha, mas nós que muitas vezes enchemos o peito para dizermos que temos a verdade, devemos aprender uma lição de humildade e altruísmo com esse brasileiro ímpar que foi Chico Xavier.

Leila MIchele.

Anônimo disse...

Cristo nos escolheu para aprender e colocar em praticas as açoes Dele. No mundo materilista que vivemos, corremos o risco de acharmos que somos bonzinhos somente por doar algum alimento. Procure amar as pessoas, diariamente, e entende-las dentro da limitação de cada um. Tudo que nos incomodar no cotidiano, anote medite e converse com Jesus, com certeza Ele vai orientar qual a sua missão aqui na terra. Quanto ao Chico Xavier, somente Jesus para avalia-lo .

Anônimo disse...

Ele sabe quem somos,e eu penso exatamente como voce anônimo, se amássemos o nosso próximo sem impor nenhuma condição, assim como ELE amou a todos, o mundo saberia que a terra está cheia da Bondade do Senhor.

Julio César disse...

Jefferson querido,

Acho q sua reflexão é oportuna no sentido de provocar uma reflexão a cerca da compatibilidade entre a fé que professamos e a ação q praticamos. É pelas obras que sê vê a autenticidade da fé. E por elas que nossa fé será julgada

Por outro lado, a reflexão ela aparenta certa ambiguidade e moralismo invertido. Qdo vc diz que a gente vai ao culto, lê o Evangelho, ora e nada acontece, continua havendo pobres, mendigos. Muitos dos que vão ao culto, celebrar a Deus, tb se ocupam de servir ao pobre e ao oprimido, mas seguem o princípio do anonimato q vc prescreveu. Cuidado amigo p/vc n julgar todos por uns ou tentar se justificar pelas falhas dos outros.

Àqueles que se ajoelham diante de Deus, erguem suas mãos a Ele e refletem os ensinamentos de Jesus nos seus cultos, mas que viram as costas para o necessitado, devem continuar a cultuar, mas tb aprender que servir ao próximo tb é servir a Deus, faz parte do culto que Ele requer, confirme ensina os Evangelho. Dá mesma forma aqueles que dizem servir a humanidade, condoer-se com a dor do seu semelhante, devem aprender que servir a humanidade não é necessariamente servir a Deus.
Uma coisa n exclui a outra.

A gente deve servir ao próximo não por sentimentalismo, idelaismo romântico, até pq não há nenhuma virtude em ser pobre, ricos e pobres tem os mesmos vícios e virtudes, nem um valor intrínseco à pobreza, a gente deve servir pq Jesus manda. E na caminhada a gente descobre a moral da ordem.

Qto à ressurreição? O que vc crê que não foi contado? Cremos na ressurreição não porque alguém contou, mas pq o Espírito Santo testifica no nosso coração a autenticidade do fator histórico. Obviamente qdo a ressurreição é apenas um fato, que n se transforma em fator pelo Espírito Santo, ela acaba n passando de um mito.

Semelhantemente qdo serve ao necessitado ao simplesmente reflete sobre ele achando que isso nos justifica ou nos qualifica para julgarmos os outros, nos sentir moralmente superiores nos enganamos a nós mesmos.

Amigo, faça teologia de joelhoes e com fé para em lugar do deus raivoso e neurótico, vc não erigir o deus romântico, politicamente correto, jardineiro.

Se o Cristo da Fé é um mito, o Jesus histórico é uma lenda.

Esteja em paz com Cristo.

Abraço