quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Reflexão (49) - Deus habita na impureza

.

por Jefferson Ramalho

Confio na Graça, não consigo não confiar na Graça, não é possível viver sem confiar na Graça! Minhas impurezas, meus pecados, meus maus desejos e sentimentos, minhas perversidades, minha arrogância, minha maldita ansiedade, meu materialismo, meus interesses e toda sorte de malignidade que me habita, me condenam e me fazem depender o tempo todo da Graça de Deus, em Jesus. Só em Jesus! Tudo por Jesus! Nada sem Jesus, e, suficientemente em Jesus.

Estou ouvindo algumas canções do grande amigo Stênio Marcius. Faz meses que não nos vemos. Mas sempre que o ouço, parece que nos vimos há poucos minutos. Costumo dizer para mim mesmo que se Deus toca algum instrumento de cordas, o nome desse instrumento é Stênio Marcius. E o que mais me constrange é que ao ouvir suas canções, minha alma parece ser lançada a um mar de Graça. Nas palavras de cada letra que o Stênio compõe, percebo que sem Cristo eu nada posso fazer. A Bíblia tinha razão!

Para mim, a Mensagem de Deus está no cânon, mas o cânon foi feito sagrado. Não que ele, por si só, o seja. A Mensagem do Evangelho está ali e é capaz de me causar paz e desespero, ao mesmo tempo. Paz, porque tranqüiliza a minha alma fazendo-me perceber que se eu me esconder no abrigo do Altíssimo, poderei descansar tranqüilamente.

Ora, e o desespero? O Evangelho me desespera, também. Porque, apesar da clareza da Graça impressa nas páginas do cânon, percebo que minha sujeira existencial consegue se esconder de tudo e de todos, mas não do olhar dAquele que é. Você sabe quem eu sou? Por onde passei nessa semana? Se eu fui aos lugares mais santos ou aos mais promíscuos? Não sabe e nem saberá. Mas Ele, antes que eu pensasse em ir a algum desses lugares, já sabia que pra lá eu iria.

Que Deus é este que sabe que vamos em direção à perdição e não nos livra? Mas que também sabe que vamos aos lugares supostamente sagrados e nos envergonha com sua Santidade diante de nossa imundície? A minha vida é dEle. Só pode ser dEle. Se fosse minha, nem em lugar sagrado eu pisaria. Freqüentaria apenas os lugares que proporcionariam satisfação e prazer ao meu corpo. Só que a minha vida é dEle. Por causa disso, não vou aos lugares, mas a estes sou levado. Levado aos lugares supostamente santos para ser constrangido. Levado aos lugares impuros para ser identificado com minha própria condição.

Meu amigo Carlos Bregantim disse certa vez: “não há mais lugar!” Exatamente! O cristianismo autêntico – não o da história que só nos desvia e nos distancia de Deus – mas o do Evangelho, não tem forma, não tem lugar, não tem dia sagrado, não cabe num pacote, não cabe num livro de Teologia Sistemática, não pode ser transformado ou resolvido em/ou através de Códigos, Confissões de fé, Catecismos, de nada disso. Nós até gostamos dessas coisas e com elas aprendemos o máximo que conseguem nos ensinar.

Mas elas não passam de fôrmas, apesar dos bolos deliciosos que muitas vezes assam! Mas dessas fôrmas também saem bolos ruins. Bons ou ruins, o fato é que dessas fôrmas saem apenas bolos, não o Evangelho. O Evangelho não cabe numa fôrma nem é uma receitinha de bolo. É o Cristo!

Santo Tomás de Aquino, autor da Suma Teológica, que é sem dúvida a mãe de todos os pacotes doutrinários e teologias sistemáticas, com toda erudição, superioridade e incomparabilidade se colocado ao lado de todos os teólogos de toda a História – inclusive Santo Agostinho – concluiu que: “tudo o que havia escrito sobre Cristo lhe parecia palha!”

Portanto, não há mais lugar. Na verdade, nunca houve. E quando houve, a arrogância e a confiança na justiça própria tomaram conta do lugar que deveria pertencer à Graça. Que lugar é esse? O coração humano. Nele cabe arrogância, nele cabem sentimentos de justiça própria, nele cabe a ingenuidade de que pelas obras somos salvos, nele cabe a inocência de que os rituais conseguem simbolizar a reverência diante dAquele que não pode ser reverenciado de outra maneira senão através de um silêncio constrangido do ser.

Não há tempo nem espaço que Ele possa ocupar ou habitar. Não existe Casa de Deus, mas casa de Deus, isto é, nossas almas perversas. Deus não habita templos feitos por mãos humanas, onde a santidade apenas parece existir. Isso não seria Graça.

Mas Deus habita em corpos perversos, pecadores, imundos, desejosos do pecado e da perdição. Isso é Graça! Deus habitar em lugares sujos, sendo Ele quem é! Os templos, os rituais, as liturgias, as representações humanas do Sagrado, não passam de representações. Eu diria ironicamente que essas coisas são santas demais para Deus habitar. Ele, ao contrário, por Ser Santo, só habita no que não é santo. Assim, sua Graça transformada em Sangue, purifica as impurezas das paredes e móveis dessa habitação. Os lugares santos não precisam de Deus lhes habitando!

É por isso que o dr. Milton Schwantes, incontestavelmente o principal teólogo brasileiro vivo, diz: “A Bíblia, graças a Deus, está cheia de homens safados”. Quem não concorda com esta afirmação, não entendeu o Evangelho. E ele complementa: “Graças a Deus, pois assim percebemos que os homens da Bíblia são exatamente como você e eu!”

E foi entre esses safados que Deus resolveu habitar, na Encarnação. E só teve problemas quando se viu diante dos “santos”, dos “religiosos”, “dos preocupados com rituais e liturgias”, “dos guardiões e protetores da sã doutrina”. Deus é o santo que resolveu habitar na impureza para fazer da impureza, santidade e, para mostrar, que aquilo que se chama “santidade” é o que de fato é impuro e ofensivo ao Seu Nome.

na Graça,
Jefferson

7 comentários:

Emerson Bahia disse...

Cara, que reflexão...Sensacional! Fico imaginando como deve estar o livro...rs

Abração meu irmão!

Anônimo disse...

Gostei muito. Sob esse prisma excepcional é que deve estar e haver a Graça, a "Igreja" (sic!) e aquilo e aquele que verdadeiranmente humaniza, constitui e pratica o bem.

Anna disse...

Gostei!

Gilvan Albuquerque disse...

Jeff, quando tive o prazer de assistir sua palestra na igreja que freqüento, confesso que ao ouvir você dizer que 'Deus habita na impureza' em uma fração de segundos eu me apavorei com esta frase tão forte. Mas ao ouvir você explanar sobre tão simples e polemico assunto, tive minhas “pupilas espirituais” dilatadas. Agradeço a Deus por habitar na vida de pessoas impuras e maltrapilhas como eu e você.

Abraço.
Gil

Aquila disse...

É incrível a capacidade das pessoas de distorcer o Evangelho! A Igreja somos nós, não templos construidos (as vezes ostentando tanta beleza), quando na verdade, as pessoas que frequentam são vazias. Conhecem um evangelho de ouvir falar, não de com Cristo andar. É pena!

Fico imaginando, se Cristo vivesse em nossa época, NÓS seríamos os FARISEUS!!!!

Será que nós aceitaríamos as palavras de Cristo como verdade?

Obrigada Jeff! Quando leio seus textos, me conforto, pois sei que existem ainda pessoas que enxergam a farsa que vivemos!

Beijo!

Gilmar Jorge Rau disse...

Teu comentário me remeteu a situação onde nosso Mestre foi ao encontro do gadareno e e senti o prório !

Não por obra de justiça que porventura achamos que produzimos, mas pelo seu grande amor com que nos tem amado, sei porque me ví numa boca de fumo, um brilho diferente nos olhos daqueles meninos quando lhes falava do quanto eu era até pior que eles muitas vezes, mais que o Senhor habitava em mim ! Continue amado a nos edificar com esse pão fresco vindo de Deus, obrigado por isso...Abração...

Odney disse...

Simplesmente bíblico ao extremo! Só a graça, e somente a Graça pra suportar pessoas como nós. Jesus... a sua graça nos basta!